Tomada de decisão compartilhada: não estamos deixando o paciente decidir!

Por Aléxia Costa

decisão compartilhadaA chamada “tomada de decisão compartilhada” é um conceito já bastante difundido em todo o mundo, como parte dos cuidados centrados no paciente. Profissionais de saúde e pacientes tomam decisões, juntos, sobre o tratamento.

Através deste conceito, objetiva-se conciliar os valores e preocupações de um paciente com as melhores evidências disponíveis sobre benefícios, riscos e incertezas de tratamento.

Pacientes são encorajados a considerar opções de tratamento ou gerenciamento disponíveis e os prováveis ​​benefícios e danos de cada um, comunicando suas preferências de forma a escolher, junto com o profissional de saúde, a alternativa que melhor se adequa a eles.

Alguns estudos indicam que:

  1. pacientes continuam menos informados e envolvidos na tomada de decisões sobre seus cuidados de saúde do que eles gostariam;
  2. a tomada de decisões compartilhada pode melhorar a satisfação do paciente e leva a decisões de melhor qualidade;
  3. pacientes que utilizaram apoio à decisão, baseado em evidências, melhoraram o conhecimento das opções, criando expectativas mais precisas dos benefícios e danos e acham que tiveram maior participação na tomada de decisões do que as pessoas que recebem cuidados habituais;
  4. pacientes mais bem informados fazem escolhas diferentes, muitas vezes mais conservadoras e menos dispendiosas sobre o tratamento, talvez porque essa informação forneça uma avaliação realista dos prováveis benefícios ​​e dos riscos de tratamento, permitindo decisões balanceadas sobre os resultados potenciais.

A ideia de incluir pacientes e famílias no processo de tomada de decisão agora é geralmente aceita, mas isso não é sempre claro e algumas condições podem parecer mais difíceis.  

 

Leia também: Por que estamos complicando tanto o Cuidado em Saúde e a Segurança do Paciente?

 

Em um recente estudo publicado, Bradley e Green observaram o que pode ser considerado um dos domínios mais difíceis para a tomada de decisão compartilhada: o da saúde mental. Questões relativas à capacidade do paciente e o que exatamente significa a palavra “compartilhada” podem tornar-se vitais para este perfil de paciente e, portanto, o envolvimento da família e / ou cuidadores pode ser um desafio.

Este estudo procurou entender como os cuidadores e familiares daqueles com diagnóstico de doença mental grave estão atualmente envolvidos na tomada de decisões. A partir das respostas da pesquisa de profissionais de saúde e membros da família, emergiram temas em torno da definição de envolvimento e “regras de engajamento”. Os autores observaram que “os membros da equipe de saúe são aqueles que àbrem as portas” para o verdadeiro envolvimento familiar, e o processo não tem sido democrático.

À família e à equipe são atribuídas práticas, ao invés de papéis voltados para a família, com preocupação em torno de noções de adesão. Com isso, os autores sugerem que “os membros da equipe de profissionais de saúde precisam de apoio, treinamento e educação para aplicar a tomada de decisão compartilhada”.

O tempo para trocar informações é vital, mas na prática bastante difícil. “Somente uma negociação entre funcionários, usuários de serviços, familiares, colegas e cuidadores, com funções e responsabilidades atribuídas, podem apoiar a tomada de decisão compartilhada”, conclui o estudo.

É tempo de mudarmos velhos paradigmas!

 

Leia também

Resolução da ANS estabelece critérios quando houver divergência clínica entre operadora e profissionais de saúde

Projeto do Ministério da Saúde pretende capacitar profissionais em hospitais públicos

Lotes de Paracetamol e Amoxil são suspensos pela Anvisa

Os 9 benefícios da acreditação para as instituições de saúde

 

 

AlexiaAléxia Costa – Diretora de Ensino e Capacitação do IBES

Farmacêutica pela Universidade Católica de Santos. Mestre em Genética e Genomas pela UNIVAP. MBA em Gestão e Engenharia da Qualidade pela Escola Politécnica da USP. Monitora de Pesquisa Clínica pela Sociedade Brasileira de Profissionais de Pesquisa Clínica. Avaliadora de Sistemas de Saúde, através da metodologia ONA e Accreditation Canada. Docente da disciplina Gerenciamento de Riscos aplicado à Gestão da Qualidade, no MBA da Escola Politécnica da USP. Experiência em Gerenciamento de Farmácia Hospitalar e Oncológica em instituições de saúde. Fellow ISQua.

 

Referências bibliográficas:

Bradley E, Green D. Involved, inputting or informing: “Shared” decision making in adult mental health care. Health Expect. 2017;00:1–9.