O que são infecções de sítio cirúrgico e 7 maneiras de preveni-las

Mais de 10 milhões de pacientes são submetidos a procedimentos cirúrgicos em regime de internação a cada ano, em todo o mundo.

No Brasil, as infecções de sítio cirúrgico ocupam a terceira posição dentre as infecções encontradas nos serviços de saúde e compreendem de 14 a 16% das infecções dos pacientes hospitalizados.

O diagnóstico é feito através da observação de alguns fatores: o surgimento da infecção deve acontecer em até 30 dias após o procedimento cirúrgico, ou, em casos de implante de prótese, em até um ano.

Infelizmente, as infecções de sítio cirúrgico permanecem tendo uma taxa significativa de morbidade e mortalidade após a operação, embora muitas destas complicações sejam tratadas com antibióticos.

A maioria dessas infecções relacionadas ao sítio cirúrgico são evitáveis e esses incidentes podem ser reduzidos. Mas como podemos preveni-las?

  • Desenvolvendo métricas que permitem avaliar as taxas de infecção ao longo do tempo a fim de compará-las
  • Utilizando guias sobre formas de prevenção (como o desenvolvido em 2017 pela Centers for Disease Control and Prevention ou o de 2016 feito pela Organização Mundial da Saúde)
  • Melhorando a cultura de segurança
  • Criando mecanismos de feedback
  • Utilizando lista de verificação ou dados baseados em evidência
  • Melhorando o trabalho em equipe e a comunicação
  • Engajando a equipe para garantir a segurança do paciente

 

Descubra as vontades do paciente em: Profissional de saúde pergunte “o que importa” ao paciente

 

Essas medidas tornam-se mais fáceis ao saber quais são os fatores de risco de cada infecção de sítio cirúrgico, sejam:

  • Fatores do paciente: idade, uso de fumo, diabetes, desnutrição
  • Fatores de risco do procedimento: cirurgia de emergência, nível de contaminação bacteriana

As instituições que já adotaram essas prevenções, obtiveram resultados positivos, como mostrou o dado da Partnership for Patients: a taxa de infecções de sítio cirúrgico diminuíram em 16% entre 2010 e 2015 nos Estados Unidos.

Essa mudança numérica foi sentida no dia a dia com benefícios aos pacientes (incluindo muitas vidas salvas) assim como economia da instituição.

Atualize-se sobre as principais novidades em saúde. Participe do II Fórum Práticas de Excelência para a  Segurança do Paciente, nos dias 20 e 21 de julho em São Paulo!

Vagas limitadas: www.foruminternacionalibes.com.br

Confira no Canal de Excelência em Saúde!

Neste episódio Aléxia Costa comenta um recente estudo sobre um guideline de prevenção de infecção de sítio cirúrgico do CDC, publicado na revista americana Jama Surgery. Assista

 

Participe do próximo VI Curso de Atualização Técnico-Científica sobre o Manual ONA OPSS Versão 2018

Inscreva-se já!

 

REFERÊNCIAS:

  • Artigo traduzido e resumido do original Surgical Site Infections, publicado pela Patient Safety Network em 2018.
  • Centers for Disease Control and Prevention; The National Healthcare Safety Network. Surgical Site Infection (SSI) Event. Manual: patient safety component manual. Atlanta: CDC; 2015.
  • Brasil. Ministério da Saúde; Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Critérios nacionais de infecções relacionadas à assistência. Brasília; 2009.


Deixe uma resposta