Dicas para implementar um Protocolo de Prevenção de TEV (tromboembolismo venoso)

Dicas para implementar um Protocolo de Prevenção de TEV (tromboembolismo venoso)

Às vezes, o sangue pode acumular-se e se tornar mais espesso dentro de veias normais e saudáveis, de forma a bloquear o fluxo de sangue pelo corpo. Isso é conhecido como coágulo sanguíneo ou, clinicamente, como tromboembolismo venoso (TEV). A TEV inclui coágulos sanguíneos que se formam nas veias profundas, conhecidas como trombose venosa profunda (TVP), e coágulos que se alojam nos pulmões, conhecidos como embolia pulmonar (EP).

O tromboembolismo venoso pode resultar em complicações crônicas ou com risco de vida; no entanto, isso é amplamente evitável em pacientes hospitalares por meio da avaliação oportuna do risco de TEV e da prescrição de profilaxia adequada.

Leia também: APSS #12: TROMBOEMBOLISMO VENOSO (TEV)

O TEV é uma das principais causas de morte evitável no mundo. Em muitos países, ela causa mais mortes do que câncer de mama, câncer de intestino ou acidentes de trânsito.

A hospitalização está fortemente associada ao desenvolvimento de TEV – a maioria dos quais são evitáveis. A prevenção eficaz é alcançada por meio da avaliação dos fatores de risco e do fornecimento de profilaxia adequada.
De forma geral, todas as organizações de saúde, especialmente as hospitalares, deveriam implementar um protocolo e processos eficazes de prevenção de TEV para:

• pacientes adultos internados,
• mulheres grávidas e mulheres no pós-parto e
• adultos que receberam alta dos departamentos de emergência com lesões nos membros inferiores.
• pacientes oncológicos também se beneficiam deste protocolo.

O Protocolo de Prevenção de TEV visa reduzir a incidência de TEV hospitalar, garantindo que todos os pacientes sejam avaliados quanto ao risco de TEV e recebam profilaxia adequada.

Tal Protocolo deve fornecer aos profissionais de saúde as ferramentas e recursos necessários para lidar com esta importante questão de segurança do paciente, bem como prover o apoio e aconselhamento necessários para implementar os elementos no fluxo de trabalho.

Uma estrutura de prevenção de TEV deve ser desenvolvida e cobrir 6 áreas principais:

1. Pacientes em risco de TEV são identificados
2. O risco de TEV é avaliado e documentado
3. A profilaxia apropriada é prescrita
4. O paciente está envolvido em seus cuidados
5. O risco é reavaliado regularmente
6. Os hospitais monitoram o desempenho e se esforçam para melhorar os processos.

As organizações devem identificar onde sua prática local pode ser melhorada e como implementar mudanças duradouras para melhorar os resultados de TEV.

Fonte da imagem: Freepik

Referência: 1. Access Economics. The burden of venous thromboembolism in Australia: Report by Access Economics Pty Limited for The Australia and New Zealand Working Party on the Management and Prevention of Venous Thromboembolism, May 2008

 



Deixe uma resposta