8 dicas para melhorar a qualidade da assistência à saúde

8 dicas para melhorar a qualidade da assistência à saúde

O aumento dos custos de assistência médica e maior conscientização sobre erros assistenciais chamam a atenção para a necessidade de melhoria da qualidade da assistência em todo o mundo. Atualmente, muitos esforços em torno dos resultados e segurança do paciente, coordenação de cuidados, eficiência e redução de custos estão em andamento e as iniciativas de redesenho de cuidados estão sendo avaliadas para orientar futuras melhorias na qualidade dos cuidados de saúde. As dicas a seguir podem ajudá-lo em seus esforços de melhoria da saúde.

1) Analise seus dados e resultados

Como disse o famoso especialista em gerenciamento, Peter Drucker: “Se você não pode medir, não pode gerenciar”. Antes de começar a fazer melhorias nos cuidados de saúde, primeiro você precisa saber quais oportunidades existem para melhoria e, em seguida, estabelecer os resultados básicos. Em seguida, observe as tendências e estatísticas dos registros eletrônicos de saúde, estudos de resultados e outras fontes de dados para identificar as principais áreas que precisam ser melhoradas.

2) Estabeleça metas

Estabeleça metas concretas e mensuráveis nas áreas que você identifica como mais necessitadas de melhorias. Estes devem ser precisos e quantitativos por natureza. O Institute of Medicine (IOM) delineou seis metas de melhoria, ou pilares de cuidados de saúde de qualidade que podem orientar a definição de metas de melhoria. De acordo com o Institute for Healthcare Improvement (IHI), a assistência à saúde deve ser:

  • Segura: Evita lesões aos pacientes decorrentes dos cuidados que se destinam a ajudá-los.
  • Eficaz: Combine o cuidado com a ciência; evitar o uso excessivo de cuidados ineficazes e subutilização de cuidados eficazes.
  • Centrada no paciente: honrar o indivíduo e respeitar a escolha.
  • Oportuna: Reduza a espera tanto para os pacientes quanto para aqueles que prestam cuidados.
  • Eficiente: Reduza o desperdício.
  • Equitativa: Fechar as lacunas raciais e étnicas no estado de saúde.

3) Crie uma equipe equilibrada

Uma equipe eficaz deve ser composta por membros de diferentes formações, com habilidades e níveis de experiência variados. Segundo o IHI, formar uma equipe equilibrada é uma das etapas primordiais do processo de melhoria. A equipe deve incluir um líder sênior que possa aconselhar, supervisionar e defender a equipe; um especialista clínico que tenha o histórico necessário para tomar decisões clínicas informadas; e um gerente de projeto que pode realizar as tarefas do dia-a-dia e manter a equipe no caminho certo.

Leia também: O que é Gestão da Qualidade em saúde?

4) Incluir análise de fatores humanos

Conforme definido pela Human Factors and Ergonomics Society, os fatores humanos são um corpo de conhecimento sobre habilidades humanas, limitações humanas e outras características que são relevantes para o design. A engenharia de fatores humanos é a aplicação de informações de fatores humanos ao projeto de ferramentas, máquinas, sistemas, tarefas, trabalhos e ambientes para uso humano seguro, confortável e eficaz. Estes estão intimamente relacionados com a melhoria da qualidade.

Alguns princípios-chave de fatores humanos incluem evitar a dependência da memória, padronizar procedimentos e usar protocolos e listas de verificação. De acordo com o National Center for Human Factors in Healthcare, a consideração de fatores humanos no projeto de sistemas e processos de saúde traz muitos benefícios, incluindo processos de atendimento mais eficientes, comunicação aprimorada entre prestadores de serviços médicos, melhor compreensão da condição médica de um paciente, risco reduzido de problemas médicos erros relacionados a dispositivos e TI relacionados à saúde, melhores resultados para os pacientes e economia de custos.

5) Crie um plano executável

Para atingir seus objetivos de maneira oportuna e eficaz, você deve criar um plano de melhoria alcançável. Isso inclui medidas específicas, protocolos para atingir essas medições e definições específicas para melhoria que serão tiradas de seu trabalho de definição de metas e análise de dados. Certifique-se de ter um sistema organizado para rastrear seus dados e medições.

6) Familiarize-se com o ciclo PDSA

O IHI recomenda o uso do Modelo de Melhoria como uma estrutura para orientar os esforços de melhoria. De acordo com o IHI, o modelo, desenvolvido pela Associates in Process Improvement, é “uma ferramenta simples, mas poderosa para acelerar a melhoria”. O núcleo do modelo é o ciclo Plan-Do-Study-Act (PDSA), para testar a qualidade ou mudanças relacionadas à melhoria em ambientes clínicos. Ao planejar e, em seguida, implementar uma mudança, observar os resultados e, em seguida, agir sobre o que foi aprendido, é possível discernir quais mudanças são eficazes. Este ciclo imita essencialmente os passos do método científico, mas é adaptado para a aprendizagem orientada para a ação.

7) Comunique metas e progresso

Depois que seu plano estiver em andamento, certifique-se de se comunicar com sua equipe e com sua organização em geral. Compartilhe marcos grandes e pequenos, bem como contratempos. Parabenize aqueles que contribuíram e causaram impacto em seu progresso. Seu plano tem mais chances de sucesso quando a equipe está engajada.

8) Pesquise outras organizações e colabore

Revise os dados e veja quais organizações se destacam em uma área específica na qual você deseja melhorar. Pesquise online e na literatura e procure saber se você pode aprender com seus programas de melhoria de qualidade. A maioria das organizações está aberta a compartilhar essas informações para o bem maior dos pacientes.

Fonte da imagem: Freepik

Fonte: Harvard



Deixe um comentário