Como prevenir infecção na corrente sanguínea causada por cateter venoso central - IBESIBES
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Email -- 0 Flares ×

cateter-venoso-centralAnvisa lançou uma série de documentos sobre a Segurança do Paciente durante o V Seminário Internacional: Redução do Risco para a Segurança do Paciente e Qualidade em Serviço de Saúde, que aconteceu de 07 a 10 de agosto.

As publicações da Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde – GGTES/ANVISA disponibilizou 12 cartazes com Medidas de Prevenção de Eventos Adversos Relacionados à Assistência à Saúde para a Segurança do Paciente.

O 1º cartaz trata das Medidas de prevenção de infecção da corrente sanguínea associada a cateter venoso central.

Os parâmetros para o uso correto de cateter venoso central são divididos em três partes:

  1. Inserção do Cateter
  2. Manutenção do Cateter e
  3. Retirada do Cateter

 

Confira também: Como posso contribuir para aumentar a segurança do paciente?

 

Confira as medidas para prevenção de infecção sugeridas no cartaz:

Inserção do Cateter

  • Utilize um checklist de inserção de cateter central para assegurar as práticas de prevenção de Infecção Primária da Corrente Sanguínea (IPCS) no momento da inserção do cateter.
  • Estabeleça kits de inserção de cateter que contenham todos os insumos necessários para inserção do cateter central.
  • Higienize as mãos antes e após a inserção, bem como para qualquer tipo de manipulação do cateter.
  • Utilizar barreira máxima estéril no momento da inserção do cateter central:
    • Campo estéril ampliado, de forma a cobrir o corpo todo do paciente;
    • Todos os profissionais envolvidos na inserção devem usar gorro, máscara, avental estéril de manga longa, luvas estéreis e óculos de proteção.
  • Realizar a preparação da pele do paciente com solução alcoólica de gliconato de clorexidina > 0,5%.
  • Aguarde a secagem espontânea do antisséptico antes de proceder à punção.
  • Não realizar punção em veia femoral de rotina, pois a inserção neste sítio está associada a maior risco de desenvolvimento de infecção.

 

Manutenção do Cateter

  • Toda manipulação deve ser precedida de higiene das mãos.
  • Usar gaze e fita adesiva estéril ou cobertura transparente semipermeável estéril para cobrir o sítio de inserção.
    • Realizar a troca da cobertura com gaze e fita adesiva estéril a cada 48 horas ou a cada 7 dias se utilizar cobertura estéril transparente.
    • Qualquer tipo de cobertura deve ser trocada imediatamente, independente do prazo, se estiver suja, solta ou úmida.
  • Realizar desinfecção das conexões, conectores valvulados e ports de adição de medicamentos com solução antisséptica à base de álcool, com movimentos aplicados de forma a gerar fricção mecânica, de 5 a 15 segundos.
  • Avaliar, no mínimo uma vez ao dia, o sítio de inserção dos cateteres centrais, por inspeção visual e palpação sobre o curativo intacto.

 

Leia também: Confira as recomendações para prevenção de Infecções Puerperais em parto vaginal e cirurgia cesariana

 

Retirada do Cateter

  • Remover cateteres desnecessários.
  • Cateteres inseridos em situação de emergência ou sem a utilização de barreira máxima devem ser trocados para outro sítio assim que possível, não ultrapassando 48 horas.
  • Reavaliar diariamente a necessidade de manutenção do cateter, com pronta remoção daqueles desnecessários.
  • Não realizar troca pré-programada dos cateteres centrais, ou seja, não substituí-los exclusivamente em virtude de tempo de sua permanência.

 

Faça o Download do Cartaz clicando aqui