Revisão dos dados diminui o número de óbitos por Febre Amarela

Na última quarta-feira (04/04), o Ministério da Saúde atualizou os dados sobre febre amarela no Brasil. As informações foram repassadas pelas secretarias estaduais de saúde e os dados são do período de julho de 2017 até o dia 03 de abril de 2018.
Foram confirmados 1.127 casos, sendo que 328 vieram a óbito. Ao todo 4.548 casos suspeitos foram notificados, sendo que 980 permanecem em investigação e os demais foram descartados.
 
QUERO ME INSCREVER NO II FÓRUM DE PRÁTICAS DE EXCELÊNCIA EM SEGURANÇA DO PACIENTE E II ENCONTRO DA GERAÇÃO DE EXCELÊNCIA
 
Vale destacar que, com relação ao último boletim divulgado, houve uma redução no número de casos e óbitos. Isso se deve à constante revisão e reclassificação dos casos que são, semanalmente, incorporados à base de dados. Assim, alguns casos foram reclassificados conforme justificativas e complementação dos dados pelas Secretarias Estaduais de Saúde.
No ano passado, considerando o mesmo período de monitoramento (julho/2016 a 3 de abril/2017) eram 691 casos e 220 óbitos confirmados. Os informes de febre amarela seguem, desde o ano passado, a sazonalidade da doença, que acontece, em sua maioria, no verão. Dessa forma, o período para a análise considera de 1º de julho a 30 de junho de cada ano.
 
Leia também: Sociedade Brasileira de Pediatria publica documento sobre febre amarela
 
Distribuição dos casos de febre amarela notificados: 1º/7/2017 a 03/04/2018

UF (LPI)* Notificados Descartados Em Investigação Confirmados Óbitos
AC 1 1
AP 5 2 3
AM 7 5 2
PA 37 26 11
RO 9 8 1
RR 3 3
TO 17 15 2
AL 8 2 6
BA 51 29 22
CE 2 1 1
MA 5 4 1
PB 5 5
PE 5 3 2
PI 8 5 3
RN 1 1
SE 2 2
DF 74 44 29 1 1
GO 60 34 26
MT 3 3
MS 11 8 3
ES 113 84 23 6 1
MG 1.416 595 344 477 148
RJ 425 132 105 188 63
SP 2.104 1.306 343 455 115
PR 93 85 8
RS 44 29 15
SC 39 14 25
Total 4.548 2.441 980 1.127 328


Dados preliminares e sujeitos à revisão
*LPI – Local Provável de Infecção
 
Já estão abertas as inscrições para o 2º Fórum Práticas de Excelência do IBES e 2º Encontro da Geração de Excelência.

 

Vamos aprender mais com o Canal de Excelência em Saúde?

A nível internacional, os reguladores da qualidade da saúde são criticados por não responder às queixas dos pacientes. O envolvimento do paciente é, portanto, um item importante na agenda política. No entanto, pode-se argumentar que existe uma discrepância entre a perspectiva dos pacientes e as abordagens regulatórias atuais.
Confira o vídeo sobre “Qualidade em saúde: o que importa para o paciente não é o que estamos analisando”

 
Participe do Capacitação em Experiência do Paciente e Cuidado Centrado no Paciente
Inscreva-se já!

 
Fonte: Site do Ministério da Saúde