Padrão de Qualidade nos Cuidados Clínicos de Catarata para Serviços de Oftalmologia

Padrão de Qualidade nos Cuidados Clínicos de Catarata para Serviços de Oftalmologia

O governo australiano desenvolveu um Guideline sobre o Padrão de Cuidados Clínicos de Catarata para ser seguidos pelos serviços de oftalmologia.

O impacto da catarata na visão de uma pessoa e sua capacidade de realizar suas atividades diárias pode variar consideravelmente entre as pessoas. A catarata geralmente piora com o tempo, mas a rapidez com que isso acontece é difícil de prever para um indivíduo.

As pessoas com catarata podem apresentar embaçamento, visão de longe ruim, dificuldade para enxergar sob luz forte (sensibilidade ao brilho) ou dificuldade para enxergar em condições de pouca luz.

A catarata que é identificada durante o exame oftalmológico de rotina, mas não está causando sintomas problemáticos, pode ser controlada com espera vigilante e medidas não cirúrgicas, como óculos graduados, lentes coloridas para sensibilidade ao brilho e outros recursos visuais. Algumas indicações médicas podem aumentar a necessidade de cirurgia, incluindo glaucoma de ângulo fechado. A cirurgia também pode ser necessária para permitir o monitoramento ou tratamento de outros problemas oculares. No entanto, em geral, a cirurgia é recomendada quando as alterações visuais interferem significativamente nas atividades.

O procedimento cirúrgico envolve a remoção do cristalino natural turvo e sua substituição por um cristalino sintético transparente, geralmente sob anestesia local e realizado como cirurgia diurna.

Nos países de alta renda, as taxas de cirurgia de catarata aumentaram acentuadamente nos últimos 25 anos. Isso foi atribuído a métodos cirúrgicos aprimorados, limiares mais baixos para cirurgia e envelhecimento da população. Portanto, o interesse aumentou em identificar:

■ Quando a cirurgia é clinicamente justificada e apropriada.

■ Como os serviços de saúde pública podem fornecer acesso equitativo e eficiente à cirurgia, levando em consideração as circunstâncias individuais do paciente e as restrições de recursos dos serviços de saúde.

■ Se alguns pacientes são mais propensos a se beneficiar, ou estão em risco, de um atraso do que outros.

Ferramentas e sistemas de priorização desenvolvidos na Nova Zelândia, Espanha, Suécia e Canadá visam fornecer cirurgia de acordo com a necessidade clínica e melhorar a equidade, adequação e pontualidade do acesso. Estudos desses sistemas de priorização sugerem que eles podem alcançar esses objetivos de forma mais eficaz do que os sistemas “primeiro a entrar, primeiro a sair”. Cada ferramenta foi desenvolvida com informações clínicas e validada quanto à sua capacidade de aproximar a tomada de decisão clínica. De um modo geral, as ferramentas determinam a adequação e a prioridade da cirurgia de acordo com o grau de deficiência visual e o impacto da visão deficiente no dia a dia atividades e função social (incluindo a capacidade de trabalhar e viver de forma independente).

Leia mais: Linha de Cuidados em Cirurgia Oftalmológica

Mesmo com boa acuidade visual, algumas pessoas podem ter deficiência visual incapacitante devido à sensibilidade ao brilho ou sensibilidade ao contraste relacionada à catarata. O impacto dos déficits visuais pode variar de acordo com as necessidades individuais e a confiança de uma pessoa em sua visão para o trabalho ou para manter a independência ou a qualidade de vida. Como resultado, as limitações de atividade relacionadas à visão – relatadas pelos pacientes – são tão importantes quanto a acuidade visual para determinar o provável benefício da cirurgia.

O governo australiano desenvolveu um Guideline sobre o Padrão de Cuidados Clínicos de Catarata para ser seguidos pelos serviços de oftalmologia. Seguem abaixo as diretrizes, que podem ser uteis e inspiradoras para os serviços em oftalmologia brasileiros:

 

Padrão de Cuidados Clínicos de Catarata: Declarações de qualidade

 

1 Avaliação e encaminhamento para cuidados primários

  • Um paciente com problemas visuais e suspeita de catarata tem uma avaliação inicial em cuidados primários de sua deficiência visual, limitações de atividades relacionadas à visão, comorbidades e vontade de fazer a cirurgia.
  • Quando o encaminhamento é apropriado com base nesses critérios, o paciente é encaminhado para consideração de cirurgia de catarata, e essa informação é incluída no formulário de encaminhamento.

 

2 Informações do paciente e tomada de decisão compartilhada

  • Um paciente com suspeita ou confirmação de catarata recebe informações para apoiar a tomada de decisão compartilhada. As informações são fornecidas de forma que atendam às necessidades do paciente e sejam fáceis de usar e entender.
  • O paciente tem a oportunidade de discutir os prováveis benefícios e possíveis danos das opções disponíveis, bem como suas necessidades e preferências.

 

3 Acesso à avaliação oftalmológica

  • Um paciente encaminhado para cirurgia de catarata é priorizado para avaliação oftalmológica de acordo com a necessidade clínica, com base em um protocolo aprovado localmente e após o recebimento de um encaminhamento detalhado.

 

4 Indicações para cirurgia de catarata

  • Um paciente recebe cirurgia de catarata quando apresenta uma opacidade do cristalino que limita suas atividades relacionadas à visão e causa deficiência visual clinicamente significativa, envolvendo redução da acuidade visual corrigida, desativando o ofuscamento ou a sensibilidade ao contraste.

 

5 Priorização para cirurgia de catarata

  • Um paciente é priorizado para cirurgia de catarata de acordo com a necessidade clínica.
  • Os protocolos de priorização levam em consideração a gravidade da deficiência visual do paciente e as limitações das atividades relacionadas à visão, os danos potenciais da cirurgia tardia, qualquer comorbidade relevante e os benefícios esperados da cirurgia.

 

6 Cirurgia do segundo olho

  • As opções para um paciente com catarata bilateral são discutidas quando a decisão sobre a cirurgia do primeiro olho está sendo tomada.
  • A cirurgia do segundo olho é oferecida usando critérios semelhantes aos do primeiro olho, mas os potenciais benefícios e danos de um atraso na cirurgia do segundo olho também são considerados, levando a uma decisão compartilhada sobre a cirurgia do segundo olho e seu tempo.

 

7 Medicamentos oftalmológicos preventivos

  • Um paciente recebe uma injeção intracameral de antibiótico no momento da cirurgia de catarata, em vez de antibióticos tópicos pós-operatórios e de acordo com as diretrizes baseadas em evidências.
  • Após a cirurgia, o paciente recebe colírios anti-inflamatórios quando indicado.

 

8 Cuidados pós-operatórios

  • Um paciente recebe cuidados pós-operatórios que garantem a detecção precoce e o tratamento de complicações da cirurgia de catarata e a reabilitação visual do paciente.
  • Os cuidados pós-operatórios são fornecidos pelo oftalmologista operacional ou por um membro designado da equipe. O paciente é informado sobre os cuidados pós-operatórios.

Fonte da imagem: Freepik
Fonte: Australian Commission on Safety and Quality in Health Care



Deixe um comentário