O que são intervenções de apoio à autogestão do paciente?

O que são intervenções de apoio à autogestão do paciente?

Conheça os 3 Domínios da Classificação das intervenções de apoio à autogestão

As intervenções de apoio à autogestão constituem uma família complexa de intervenções. A OMS desenvolveu uma taxonomia como parte de um projeto da União Europeia que está a avaliar a sua eficácia e relação custo-eficácia e classifica as intervenções utilizando domínios.

A educação terapêutica do paciente reúne vários tipos de intervenção de apoio à autogestão. Embora a distinção entre a educação terapêutica do paciente e outras intervenções de apoio à autogestão não sejam rígidas, a taxonomia pode ser usada para distinguir aquelas intervenções que podem ser consideradas predominantemente terapêuticas de educação do paciente e aquelas que geralmente são consideradas parte da família mais ampla de intervenções de apoio de autogestão.

 

Classificação das intervenções de apoio à autogestão

Domínio 1. Características da intervenção de autogestão

 

1.1 Técnica de apoio

Compartilhamento de informações, treinamento de habilidades, gerenciamento de estresse e/ou emocional, tomada de decisão compartilhada, estabelecimento de metas e planejamento de ações, aprimoramento de habilidades de resolução de problemas, treinamento de automonitoramento e feedback, uso de avisos e lembretes, incentivo ao uso de serviços, fornecendo equipamentos, apoio social, coaching e entrevistas motivacionais

 

1.2 Método de entrega

Visita clínica, sessão de suporte e intervenção autoguiada, chamadas telefônicas, smartphones, Internet e dispositivos específicos

 

1.3 Tipo de encontro

Intervenção presencial, intervenções à distância/remotas

 

1.4 Destinatário

Indivíduo, grupo e populações específicas

 

1.5 Tipo de prestador

Médico, enfermeiro, farmacêutico, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, assistente social, psicólogo, nutricionista/nutricionista, auxiliar de saúde, colega, leigo e prestador de serviços

 

1.6 Localização

Hospital (cuidados de internamento), cuidados de longa duração em centros/lares de idosos, cuidados comunitários, cuidados domiciliários, cuidados primários, ambiente ambulatorial, local de trabalho

 

Leia mais: Doutor: seus pacientes estão deixando o hospital sem compreender o plano de alta

 

 

Domínio 2. Comportamentos esperados de autogestão do paciente/cuidador

2.1 Relacionado com o estilo de vida

Comportamentos alimentares, atividade/exercício físico, cessação ou redução do tabagismo, cessação ou redução do consumo de álcool ou outras substâncias nocivas, hábitos de sono saudáveis

 

2.2 Manejo clínico

Comportamentos específicos da condição, automonitoramento, uso e adesão de medicamentos, reconhecimento precoce de sintomas, solicitação de ajuda profissional ou atendimento de emergência quando necessário, gerenciamento de dispositivos e manejo físico

 

2.3 Gestão psicológica

Lidando/gerenciando emoções

 

2.4 Gestão social

Enquadramento no trabalho, papéis sociais e capacidade para trabalhar

 

2.5 Trabalhar com um prestador de cuidados de saúde/assistência social

Comunicação com um prestador de cuidados de saúde e/ou assistência social

 

 

 

Domínio 3. Resultados

3.1 Capacitação/competências básicas

Nível de conhecimento, nível de alfabetização em saúde, nível de aquisição de habilidades, nível de autoeficácia e nível de ativação do paciente

 

3.2 Adesão a comportamentos de autogestão

Estilo de vida, clínico, psicológico, social, interações e comunicação com prestadores de cuidados de saúde/assistência social

 

3.3 Resultados clínicos

Progressão da doença (marcadores clínicos, sintomas), complicações, eventos adversos e mortalidade

 

3.4 Qualidade de vida do paciente/cuidador

Qualidade de vida geral, funcionamento físico, psicológico e funcionamento emocional, funcionamento social, funcionamento sexual e carga de tratamento

 

3.5 Percepção/satisfação com o cuidado

Satisfação geral com intervenções de autogestão, percepção de estar bem e suficientemente informado (qualidade da prestação da informação), percepções da relação paciente-provedor, e atendimento personalizado.

 

3.6 Uso de cuidados de saúde

Tipo e número de consultas, internações e readmissões hospitalares e atendimento de emergência

 

3.7 Custos

Custos de cuidados de saúde para pacientes, custos de cuidados de saúde, custos não médicos diretos e custos sociais

 

Em comparação com outras intervenções de apoio à autogestão, o objetivo principal da educação terapêutica do paciente é melhorar os resultados clínicos e a qualidade de vida. As técnicas de apoio incluem partilha de informações, formação de competências, tomada de decisão partilhada, definição de objetivos e planejamento de ações, formação de automonitorização e feedback.

As intervenções de apoio à autogestão que geralmente não são consideradas educação terapêutica do paciente incluem aquelas que têm como objetivo principal o empoderamento ou a adesão a comportamentos de autogestão. Estas técnicas de apoio incluem o incentivo à utilização de serviços, fornecimento de equipamentos, apoio social, coaching e entrevistas motivacionais; e os prestadores podem incluir não apenas profissionais de saúde, mas também leigos e pacientes.

 

Fonte da imagem: Envato

Fonte: Therapeutic patient education: an introductory guide. Copenhagen: WHO Regional Office for Europe; 2023. Licence: CC BY-NC-SA 3.0 IGO.



Deixe um comentário