O que é cultura justa e como isso impacta na segurança do paciente?

cultura-justaOrganizações de alta confiabilidade

Organizações de alta confiabilidade são aquelas que realizam trabalhos bastante complexos e perigosos, mas minimizam consistentemente os eventos adversos, mantendo um compromisso com a segurança em todos os níveis. Este compromisso estabelece uma “cultura de segurança”.

 

Cultura de segurança

Uma cultura de segurança percebida como deficiente tem sido associada a taxas de erro aumentadas. Uma cultura de segurança engloba as seguintes características-chave:

  • Reconhecimento da natureza de alto risco das atividades realizadas pela organização, com a determinação de se alcançar operações consistentemente seguras
  • Um ambiente sem culpa onde os indivíduos são capazes de relatar erros ou quase acidentes sem medo de repreensão ou punição
  • Encorajamento da colaboração para procurar soluções para problemas de segurança dos pacientes
  • Comprometimento organizacional de recursos para tratar de questões de segurança

 

Notícias relacionadas
Quem são os envolvidos na segurança do paciente?
Os 9 Certos na administração segura de medicamentos pela enfermagem
Resolução reconhece a Oncologia Clínica com especialidade
Quais são os benefícios da Acreditação?

 

Melhorar a cultura da segurança na saúde é essencial para prevenir ou reduzir os erros e melhorar a qualidade geral dos cuidados. Estudos documentaram uma variação considerável nas percepções da cultura de segurança entre organizações. Enfermeiros têm constantemente reclamado da falta de um ambiente sem culpa, e os prestadores de todos os níveis observaram problemas com o compromisso organizacional para se estabelecer uma cultura de segurança.

As razões de uma cultura subdesenvolvida de segurança em saúde são complexas: falta de trabalho em equipe, comunicação frágil, uma “cultura de baixas expectativas” e hierarquia/autoridade.

Conseguir melhorias sustentadas na cultura de segurança pode ser difícil. Medidas específicas, como treinamento em equipe, rounds de pessoal executivo nas áreas assistenciais e criação de equipes de segurança baseadas em unidades, foram associadas a melhorias nas medidas de cultura de segurança, mas ainda não associadas a menores taxas de erro. Outros métodos, tais como Times de Resposta Rápida e métodos de comunicação estruturados, como o SBAR, estão sendo amplamente implementados para ajudar a abordar questões culturais como hierarquias rígidas e problemas de comunicação, mas seu efeito na cultura geral de segurança e nas taxas de erro permanece não comprovado.

 

Cultura justa

A cultura da culpa do indivíduo (e não do sistema) nos cuidados de saúde prejudica o avanço de uma cultura de segurança. Vale lembrar que certos erros exigem responsabilidade. Em um esforço para conciliar as duas necessidades de falta de culpa e apropriada responsabilização, o conceito de “cultura justa” está sendo introduzido.

Uma cultura justa visa identificar e abordar problemas de sistemas que levam os indivíduos a se envolver em comportamentos inseguros, mantendo a responsabilidade individual e estabelecendo tolerância zero para o comportamento imprudente. Ele distingue entre erro humano (por exemplo, deslizes), comportamento de risco (por exemplo, tomar atalhos) e comportamento imprudente (por exemplo, ignorar os passos de segurança exigidos), em contraste com uma abordagem abrangente de simplesmente “não culpar”. Em uma cultura justa, a resposta a um erro ou falha próxima é baseada no tipo de comportamento associado ao erro, e não na gravidade do evento. Por exemplo, comportamento imprudente, como recusar-se a realizar uma checagem de segurança antes da cirurgia, mereceria ação punitiva, mesmo se os pacientes não tivessem sido prejudicados.

 

O papel da Liderança

A liderança organizacional deve estar profundamente envolvida e atenta às questões que os trabalhadores da linha de frente enfrentam, compreendendo a “cultura oculta” que muitas vezes orienta o comportamento. Muitos determinantes da cultura de segurança dependem das relações interprofissionais e de outras circunstâncias locais.

 

As mais lidas
Por que a avaliação educativa em instituições de saúde é mais eficiente?
Você sabe o que é o Canal Multidisciplinar do IBES?

 

Você pode acompanhar mais dicas de gerenciamento e segurança do paciente no Canal de excelência do Youtube

CEES-019-(video)

Curta o canal e dissemine boas práticas entre os profissionais da saúde!

Participe também do grupo Geração de Excelência no Facebook e compartilhe experiência sobre saúde com mais de 11 mil profissionais https://www.facebook.com/groups/geracaodeexcelencia/

 

AlexiaAléxia Costa – Diretora de Ensino e Capacitação do IBES

Farmacêutica pela Universidade Católica de Santos. Mestre em Genética e Genomas pela UNIVAP. MBA em Gestão e Engenharia da Qualidade pela Escola Politécnica da USP. Monitora de Pesquisa Clínica pela Sociedade Brasileira de Profissionais de Pesquisa Clínica. Avaliadora de Sistemas de Saúde, através da metodologia ONA e Accreditation Canada. Docente da disciplina Gerenciamento de Riscos aplicado à Gestão da Qualidade, no MBA da Escola Politécnica da USP. Experiência em Gerenciamento de Farmácia Hospitalar e Oncológica em instituições de saúde. Fellow ISQua.

 

REFERÊNCIA:

Safety Culture. Agency for Healthcare Research and Quality. July 2016

 

bannersitev2-experienciadopaciente