Gestão da mudança: como compreender o conceito e se adequar ao Manual ONA 2022-25

Gestão da mudança: como compreender o conceito e se adequar ao Manual ONA 2022-25

Como as mudanças nos cuidados de saúde ocorrem tão rapidamente, é menos provável que sejam previsíveis

O termo gestão de mudança apareceu pela primeira vez no Manual ONA das Organizações Prestadoras de Serviços de Saúde versão 2022-2025 e deixou muitos líderes e profissionais na dúvida sobre o que seria isso e como implementar ações para atingir a conformidade ao novo requisito. E, como não poderia ser diferente, o Grupo IBES trouxe para vocês uma explicação detalhada sobre o tema.

O ritmo da mudança aumentou dramaticamente nos últimos anos. Além disso, a mudança ocorre continuamente ao nosso redor. Podemos querer apoiá-lo, ser indiferentes a ela e ser passivos ou participar dela. Uma das principais preocupações na gestão dos cuidados de saúde é a gestão da mudança.

Gerenciar mudanças significa lidar com a complexidade do processo. Trata-se de avaliar, planejar e implementar operações, táticas e estratégias e garantir que a mudança vale a pena e é relevante. Gerenciar a mudança é um processo complexo, dinâmico e desafiador. Nunca é uma escolha entre soluções tecnológicas ou orientadas para as pessoas, mas uma combinação de tudo.

A mudança eficaz tem sido caracterizada como o descongelamento de comportamentos antigos, a introdução de novos e o seu recongelamento. A mudança pode ser contínua, esporádica, ocasional ou rara. Mudanças previsíveis permitem tempo para preparação, enquanto mudanças imprevisíveis são mais difíceis de responder de forma eficaz. Como as mudanças nos cuidados de saúde ocorrem tão rapidamente, é menos provável que sejam previsíveis.

A única vantagem competitiva sustentável hoje é a capacidade de mudar, adaptar-se e evoluir – e fazê-lo melhor do que a concorrência. As taxas de insucesso estão associadas a uma série de fatores diferentes, tais como falta de visão e compromisso da gestão de topo, integração limitada com outros sistemas e processos na organização e planos de implementação mal concebidos. Para que as organizações possam experimentar um maior nível de sucesso nos seus esforços de desenvolvimento, os gestores e executivos precisam de ter uma melhor estrutura para pensar sobre a mudança e uma compreensão das questões-chave que acompanham a gestão da mudança.

Mesmo que a mudança seja aprovada, os funcionários querem compreender porque é que a mudança está a acontecer e como serão afetados. Demissões ou outras mudanças organizacionais podem levar à paranóia, confusão, raiva e inseguranças sob os auspícios da mudança.

 

 

 

Promover a mudança é ao mesmo tempo exigente e cansativo. Produzir mudanças exige que o gestor desafie o precedente e requer perseverança contra os hábitos e normas de comportamentos estabelecidos. Produzir mudanças leva tempo e exige o comprometimento de tempo por parte do gestor. O gestor deve conhecer os valores que importam e concentrar-se em mudá-los, em vez de reagir a todos os convites à mudança. Ele/ela deve ter clareza sobre o que é importante e desenvolver respostas e ações proativas de acordo.

As organizações que empregam um grande número de profissionais não terão um bom desempenho se se tornarem excessivamente burocráticas. Steiner afirmou que as organizações que são conhecidas por serem burocratizadas e hierárquicas são menos flexíveis, menos receptivas à mudança e menos propensas a capacitar o pessoal.

Uma organização não obterá o valor total dos seus funcionários profissionais se insistir que eles façam apenas o que lhes é ordenado. Portanto, os líderes precisam aprender como gerenciar a mudança para avançar com sucesso.

Coram e Burnes argumentaram que não existe uma “melhor maneira” de gerir a mudança numa organização, e que as organizações do setor público precisam introduzir uma abordagem à mudança organizacional que corresponda às suas necessidades e situação. Tem de ser admitido que a mudança na gestão continuará acontecendo. Além disso, os líderes precisam compreender o processo de mudança e as questões que estão envolvidas nela, a fim de terem a capacidade de liderar e gerir a mudança e melhorar os esforços de forma eficaz. Eles devem aprender a superar obstáculos e lidar com o caos que existe naturalmente durante o processo de mudança.

Os líderes devem ajudar os funcionários e outras partes interessadas a estruturar e construir equipes eficazes, desenvolvendo novas estruturas organizacionais e criando uma visão compartilhada que se concentre nos resultados autênticos dos funcionários. Essa liderança inspirada e informada é crítica e essencial para o sucesso das organizações.

Estabelecer uma visão clara sobre a direção do processo de mudança é outro elemento-chave para garantir uma mudança bem-sucedida. Medir e monitorizar os resultados do processo de mudança é essencial para reconhecer se o processo de mudança cumpriu ou não os seus objectivos. Uma vez que a mudança continua a acontecem nas organizações e estão ocorrendo modificações associadas, é importante que aqueles que estão encarregados do processo de mudança registrem e se concentrem nos problemas emergentes devido à mudança. Isto ajudará a evitá-los no futuro, para que o novo sistema de administração ajude a gerir a mudança da maneira adequada e melhor.

 

Fonte da imagem: Envato

Fonte: Al-Abri R. Managing change in healthcare. Oman Med J. 2007 Oct;22(3):9-10.



Deixe um comentário