Erros de Diagnóstico e o impacto na Segurança do Paciente

Um diagnóstico errado pode impactar a vida de um paciente para sempre, deixar graves sequelas ou levar até a morte

paciente febre amarelaSegundo um importante estudo publicado no ano passado pelo Institute of Medicine, os erros diagnósticos são encontrados em 10% a 20% das autópsias, sugerindo que cerca de 40.000 a 80.000 mil pacientes morrem anualmente nos Estados Unidos a partir desses erros.

O estudo afirma que 1 em 10 diagnósticos estão incorretos e que pelo menos 1 pessoa em cada 3 tem experiência relacionada a um erro de diagnóstico. Os pesquisadores descobriram, ainda, que erros diagnósticos respondem pela maior fração de alegações de negligência e o maior quantitativo de pagamentos de penalidade.

Estudo recente descobriu que por ano, 1 a cada 20 pacientes de cuidados primários irá experimentar erro de diagnóstico.

O Instituto de Medicina recentemente definiu erro de diagnóstico como a falha em:

(a) estabelecer uma explicação precisa e oportuna do problema de saúde do paciente ou

(b) comunicar essa explicação ao paciente.

Simplificando, são diagnósticos que são perdidos completamente, estão errados ou deveriam ter sido feitos muito mais cedo.

Qual a diferença entre diagnóstico perdido, errado e tardio?

Um diagnóstico perdido refere-se a um paciente cujas queixas médicas nunca são explicadas. Muitos pacientes com fadiga crônica ou dor crônica se enquadram nesta categoria, bem como pacientes com queixas mais específicas que nunca são diagnosticadas com precisão.

Um diagnóstico errado ocorre, por exemplo, se um paciente teve uma ataque cardíaco, mas é dito que sua dor é devida à uma indigestão ácida. O diagnóstico original é considerado incorreto porque a verdadeira causa é descoberta mais tarde.

Já o diagnóstico tardio refere-se a um caso em que deveria ter sido detectado anteriormente. O diagnóstico tardio de câncer é, de longe, a principal entidade nessa categoria. Um grande problema a este respeito é que existem poucas orientações para fazer um diagnóstico oportuno, e muitas doenças não são suspeitas até que os sintomas persistam ou piorem.

Complexidade de diagnóstico

Comumente, o erro decorre da complexidade do processo de diagnóstico, das dificuldades de como os cuidados de saúde são prestados e dos mesmos tipos de erros cognitivos que todos nós fazemos em nossa vida cotidiana. Muitos erros diagnósticos são feitos por clínicos conscienciosos praticando em organizações médicas de primeira linha.

Complexidade do processo de diagnóstico – O diagnóstico não é apenas um ponto final, é um processo, um processo muito complexo. Existem mais de 10.000 doenças conhecidas e 5.000 testes laboratoriais. Mas há apenas um pequeno número de sintomas, de modo que qualquer sintoma pode ter dezenas ou centenas de possíveis explicações.

Testes de diagnóstico podem ser úteis para esclarecer o problema, mas muitas vezes é simplesmente uma questão de observar o curso clínico, que leva tempo. Um erro pode ocorrer em qualquer etapa do processo: obtendo um histórico completo, fazendo um exame apropriadamente aprofundado, obtendo os testes certos e interpretando os testes corretamente.

Complexidade na prestação de cuidados de saúde. Os sistemas de saúde ligam centenas de processos, práticas, procedimentos e tecnologias diferentes para fornecer diagnósticos seguros e precisos. Enquanto os sistemas médicos são construídos com a segurança do paciente em mente, a complexidade dos nossos cuidados de saúde pode fazer com que o bastão caia, apesar do melhor esforço de todos.

Muitos erros diagnósticos envolvem falhas na comunicação e coordenação de cuidados ou outros problemas em nossos sistemas de saúde. Os resultados dos testes podem se perder, a consulta de subespecialidade pode não estar disponível em tempo hábil ou o equipamento de teste pode estar funcionando mal. Nossos sistemas de saúde crescem mais complicados e os cuidados são entregues em muitos contextos diferentes.

Erros cognitivos – Os médicos são humanos e fazem os mesmos tipos de erros mentais que todos nós fazemos em nossas vidas diárias. Às vezes, simplesmente não notamos uma descoberta chave ou interpretamos mal o que foi dito. Passamos a conclusões e nem sempre consideramos se pode haver alguma resposta melhor do que nossa primeira ideia.

Achamos que fizemos sentido da situação, mas estamos errados. Por exemplo, embora uma doença do estômago possa ser a explicação para a dor abdominal do paciente, a mesma dor pode ser imitada por condições vasculares ou neurológicas que não vêm imediatamente à mente.

FONTE: Improving Diagnosis in Health Care. Institute of Medicine, 2016