Diretrizes para a síndrome inflamatória multissistêmica relacionada à COVID-19 em crianças

Diretrizes para a síndrome inflamatória multissistêmica relacionada à COVID-19 em crianças

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou na terça-feira (23) diretrizes atualizadas sobre o manejo da síndrome inflamatória multissistêmica associada à COVID-19 em crianças (SIM-P).

Através da Secretaria de Vigilância em Saúde, o Ministério da Saúde (MS) irá comandar o fluxo de informações das notificações da SIM-P em todo o território brasileiro por meio da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações. Pontos relevantes abordados neste documento são resumidos a seguir.

A SIM-P ocorre em dias a semanas depois de uma infecção aguda pelo “severe acute respiratory syndrome coronavirus 2” (SARS-CoV-2). Suas manifestações clínicas são semelhantes à doença de Kawasaki, à síndrome de choque associada à síndrome de Kawasaki, à síndrome de ativação macrofágica e à síndrome de choque tóxico. No entanto, apesar de muitos pacientes pediátricos com SIM-P apresentarem critérios para a síndrome de Kawasaki completa ou incompleta, o quadro ocorre, em geral, em crianças mais velhas, escolares e adolescentes, com a presença de marcadores inflamatórios mais exuberantes e importantes aumentos dos marcadores de lesão cardíaca.

Leia também: Após 1 ano de caos sanitário, profissionais de saúde estão esgotados

As diretrizes atualizadas da OMS recomendam o uso de corticosteróides em crianças hospitalizadas (de 0 a 18 anos) com essa condição, além de tratamento e cuidados de suporte. Essa recomendação vem após a disponibilização de três estudos observacionais, reunindo dados de 885 pacientes.

A OMS descreveu a síndrome inflamatória multissistêmica pela primeira vez em maio de 2020 e forneceu uma definição clínica preliminar.

Esta, terceira versão atualizada contém duas novas recomendações sobre crianças hospitalizadas com Síndrome Inflamatória Multissistêmica (MIS-C), que inclui:

  • recomendação condicional para o uso de corticosteróides além dos cuidados de suporte (em vez de IVIG mais cuidados de suporte ou apenas cuidados de suporte), para crianças hospitalizadas de 0 a 18 anos que atendem a uma definição de caso padrão para MIS-C;
  • recomendação condicional de uso de corticosteróides além do tratamento padrão para crianças hospitalizadas de 0 a 18 anos que atendem a uma definição de caso padrão para MIS-C e aos critérios de diagnóstico para doença de Kawasaki.

Se você pretender se aprofundar sobre o assunto, o Grupo IBES tem um programa feito direcionado ao coronavírus, o COVID FREE. Entre em nosso site e conheça mais sobre o programa que já certificou muitas organizações de saúde.

Fonte da imagem: Freepik

Referências: OPAS



Deixe uma resposta