Dentista na UTI reduz em 56% as chances de infecções respiratórias

O aumento do cuidado com a higiene bucal reduz em 56% as chances do paciente em UTI adquirir infecções respiratórias.

Isso foi concluído por um estudo feito com 254 pacientes adultos na Unidade de Terapia Intensiva de um hospital. Os médicos já haviam percebido a conexão entre estes fatores ao encontrar bactérias da boca nos pulmões dos enfermos. Contudo, não imaginavam que a presença de um dentista pudesse diminuir tanto este quadro.

Este foi o primeiro trabalho no mundo (publicado) a comprovar cientificamente a hipótese. Junto aos profissionais da UTI, o dentista:

  • Incentiva a escovação dos dentes de pacientes
  • Remove tártaros
  • Trata ou extrai dentes com cáries
  • Por fim, aplica agentes antissépticos

Esta é uma prática que já ocorre em alguns hospitais no país, porém, pretende-se expandí-la no Brasil e no mundo. Agora que sua eficácia começa a ser comprovada, é possível aprimorar esse cuidado, promovendo uma equipe multidisciplinar, visando melhorar o cuidado oferecido ao paciente.

Quer conhecer outras práticas para melhorar o cuidado ao paciente? Inscreva-se no II Fórum Práticas de Excelência para a  Segurança do Paciente, nos dias 20 e 21 de julho em São Paulo em: www.foruminternacionalibes.com.br (vagas limitadas)!

 

Você quer descobrir outras práticas para garantir maior segurança ao paciente? Então clique no vídeo abaixo. Nesse episódio, Aléxia Costa comenta sobre a importância da Acreditação nos consultórios odontológicos.

 

Interessou-se pelo processo? Então inscreva-se no XVIII Curso de Formação de Avaliadores IBES | Metodologia SBA/ONA e seja um Avaliador IBES!

Referência:

Jornal USP. Higiene bucal na UTI reduz em 56% infecções respiratórias. 2018.

 

 



Deixe um comentário