Cascata de incidentes ao longo da “jornada do paciente”: um novo olhar para a análise de eventos adversos

Normalmente, as análises de eventos adversos examinam períodos de tempo relativamente curtos e geralmente focam em um único ambiente, como um hospital. No entanto, um paciente recebe cuidados em muitos contextos e as várias interações que ocorrem ao longo da jornada do paciente que criam as condições para um incidente podem envolver vários indivíduos, tecnologias, instituições e organizações.

Num estudo publicado esta semana no British Medical Journals, Charles Vincent critica o quanto a notificação de incidentes ainda é frágil na identificação de eventos adversos. Além disso, ao se observar as notificações de incidentes, as reclamações de pacientes e familiares, as revisão de registros de prontuário e outras fontes (tais como relatórios de dispensação da farmácia), pode-se identificar tipos muito diferentes de problemas, o que significa que a combinação de fontes de informação pode fornecer um quadro mais completo das questões de segurança.

 

Leia também: Como classificar os eventos adversos notificados?

 

A Holanda tem um sistema de notificação de eventos adversos que é incorporado no registro de prontuário médico. Neste contexto, De Vos e cols. 6 examinam várias relações diferentes entre incidentes, eventos adversos e queixas. Em mais de 26 383 admissões, 1599 (6,1%) dos incidentes foram relatados. Apenas 33 queixas foram feitas, e apenas 10 delas estavam ligadas a incidentes ou eventos adversos. Os pacientes parecem exagerar nos problemas de seus cuidados. A taxa de eventos adversos parece alta, mas os eventos adversos são concebidos de forma muito ampla, aparentemente incluindo qualquer inflamação ou infecção e questões como “sintomas sem diagnóstico”.

Os autores acham que há um valor ao se examinar casos em que ocorrem uma série de eventos adversos e incidentes. Cascatas de eventos adversos (> 3 eventos adversos or paciente) foram sofridos por 845 pessoas e 26 823 em admissões. Por que seria mais vantajoso examinar as cascatas do que eventos isolados? Essas cascatas são provavelmente mais prejudiciais aos pacientes.

O maior valor talvez esteja na maior escala de tempo dessas análises e na capacidade de examinar as ações tomadas ou não, após os eventos adversos que potencialmente influenciam o curso posterior do paciente.

Normalmente, análises de incidentes ou eventos adversos concentram-se nas causas e fatores contribuintes que precedem o evento. Em cascatas, vemos as causas e a resposta à deterioração e à crise, e uma história potencialmente muito mais desdobrável. Isso sugere que nossas análises de segurança e qualidade, embora frequentemente desencadeadas por eventos específicos, devem começar a examinar períodos de tempo muito mais longos para refletir mais verdadeiramente a jornada do paciente e o sistema de saúde mais amplo.

A compreensão plena de tais questões requer uma abordagem apropriada. nível de recursos e experiência para a avaliação abrangente de relatórios de incidentes agregados e o desenvolvimento e implementação de ações corretivas objetivas, cientificamente fundamentadas.

A solução desses problemas requer uma colaboração ainda mais ampla com pacientes, familiares, profissionais de saúde, fabricantes e reguladores. As equipes poderiam ser formadas para avaliar e informar de forma abrangente as ações corretivas para abordar problemas mais profundos do sistema, mas isso raramente acontece nos serviços de saúde.

Em contraste, a Federal Aviation Administration (FAA) e a Nuclear Regulatory Commission (NRC) têm supervisão e recursos dedicados para investigações de incidentes entre sistemas. Quando um problema no sistema é identificado, a FAA e o NRC aplicam os recursos analíticos de uma agência central com vários especialistas relevantes; eles não esperam que esses problemas mais amplos sejam resolvidos pelas ações de companhias aéreas individuais ou usinas elétricas. Além disso, eles podem exigir ações corretivas e melhorias de qualquer parte do sistema, incluindo organizações que prestam serviços, reguladores e governos.

A área de saúde tem poucos exemplos de uma abordagem estruturada de todo o sistema para investigações, apesar de ter risco e responsabilidade semelhantes de eventos adversos sérios. O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido lançou recentemente a iniciativa Healthcare Safety Investigation Branch, dedicada a investigar e aprender em todo o sistema de saúde. Essa iniciativa é um excelente exemplo do tipo de agência especializada necessária para melhorar os sistemas de saúde e gerar novos insights para a segurança do paciente que o público e os pacientes merecem.

A análise da jornada do paciente, ao invés de eventos particulares, é particularmente crítica se quisermos ir além dos limites do hospital e examinar a saúde o contexto da vida das pessoas. Nossos informantes primários serão, obviamente, o paciente e a família. Só eles podem nos informar sobre os cuidados em casa e sobre as questões críticas de comunicação e coordenação de cuidados, que são em grande parte invisíveis para os profissionais de saúde.

No futuro, portanto, nossas análises de segurança e qualidade precisarão incluir cuidados em casa e estender durante períodos de tempo muito mais longos.

 

Organizações que buscam a excelência e a segurança de seus processos possuem sistemas de gestão da qualidade efetivamente implementados. Saiba mais sobre o Curso do IBES que vai prover a expertise para a implementação de Escritórios da Qualidade em organizações de saúde e garanta a sua vaga aqui!

Neste episódio, Aléxia Costa comenta um estudo sobre a percepção dos médicos na prática de divulgação de eventos adversos:

 

Referência:

Patricia Trbovich; Charles Vincent. From incident reporting to the analysis of the patient journey. British Medical Journals. 2018.



2 Comentários

  • GINA CARLA BARBOSA DA SILVA

    Sou de Recife e gostaria de ter informações sobre cursos online. Haverá está modalidade para o curso de como implementar escritório da qualidade em organizações de saúde? Obrigada

Deixe um comentário