As 11 práticas mais efetivas para Segurança do Paciente

Segurança do paciente foi definida pelo IOM (Institute of Medicine) como “a prevenção de danos aos pacientes”. A ênfase é colocada no sistema de prestação de cuidados que:

(1) evita erros;
(2) aprende com os erros que ocorrem; e
(3) baseia-se em uma cultura de segurança que envolve profissionais de saúde, organizações e pacientes.

As práticas de segurança do paciente foram definidas como “aquelas que reduzem o risco de eventos adversos relacionados à exposição a cuidados médicos em uma série de diagnósticos ou condições.” Esta definição é concreta, mas bastante incompleta, porque muitas práticas não foram bem estudadas com respeito à sua eficácia na prevenção ou melhoria de danos. As práticas consideradas pelo AHRQ como tendo evidências suficientes para serem incluídas na categoria de práticas de segurança do paciente são as seguintes:

  1. Uso apropriado de profilaxia para prevenir tromboembolismo venoso em pacientes em risco
  2. Uso de beta-bloqueadores perioperatórios em pacientes apropriados para prevenir a morbidade e mortalidade perioperatória
  3. Uso de barreiras estéreis máximas ao colocar cateteres intravenosos centrais para prevenir infecções
  4. Uso adequado de profilaxia antibiótica em pacientes cirúrgicos para prevenir infecções pós-operatórias
  5. Pedir que os pacientes lembrem e reafirmem o que lhes foi dito durante o processo de consentimento informado para verificar sua compreensão
  6. Aspiração contínua de secreções subglóticas para prevenir pneumonia associada à ventilação mecânica
  7. Uso de materiais de cama de alívio de pressão para prevenir úlceras de pressão
  8. Uso de orientação de ultrassom em tempo real durante a inserção de cateter central para evitar complicações
  9. Autocuidado do paciente para varfarina (Coumadin®) para obter anticoagulação ambulatorial adequada e prevenir complicações
  10. Fornecimento adequado de nutrição, com ênfase particular na nutrição enteral precoce em pacientes gravemente enfermos e cirúrgicos, para prevenir complicações
  11. Uso de cateteres venosos centrais impregnados com antibióticos para prevenir infecções relacionadas ao cateter

Muitas práticas de segurança do paciente, como o uso de simuladores, código de barras, entrada computadorizada de pedidos médicos e gerenciamento de recursos da equipe, foram consideradas estratégias possíveis para evitar erros de segurança do paciente e melhorar os processos de assistência médica; a pesquisa tem explorado essas áreas, mas permanecem inúmeras oportunidades para pesquisas futuras.

Leia também: 10 Benefícios dos procedimentos operacionais e protocolos na gestão da qualidade

A Taxonomia de Segurança do Paciente define dano como o impacto e a gravidade de um processo de falha de atendimento: “deficiência temporária ou permanente do corpo físico ou funções ou estrutura psicológica do corpo.” As origens do problema de segurança do paciente são classificadas em termos de tipo (erro), comunicação (falhas entre o paciente ou procurador do paciente e os médicos, médico e equipe não médica ou entre os profissionais), gerenciamento do paciente (delegação inadequada, falha no rastreamento, encaminhamento incorreto , ou uso incorreto de recursos), e desempenho clínico (antes, durante e após a intervenção).

Os tipos de erros e danos são classificados em relação ao domínio, ou onde ocorreram em todo o espectro de provedores e ambientes de saúde. As causas raízes dos danos são identificadas nos seguintes termos:
Falha latente – removida do praticante e envolvendo decisões que afetam as políticas organizacionais, procedimentos, alocação de recursos

Falha ativa – contato direto com o paciente

Falha do sistema organizacional – falhas indiretas envolvendo gestão, cultura organizacional, protocolos / processos, transferência de conhecimento e fatores externos

Falha técnica – falha indireta de instalações ou recursos externos

Finalmente, um pequeno componente da taxonomia é dedicado às atividades de prevenção ou mitigação. Essas atividades de mitigação podem ser universais (implementadas em toda a organização ou ambientes de saúde), seletivas (dentro de certas áreas de alto risco) ou indicadas (específicas para um processo clínico ou organizacional que falhou ou tem alto potencial para falhar).

Fonte da imagem: Freepik02

Fonte da notícia: Shojania KG, Duncan BW, McDonald KM, et al., editors. Rockville, MD: Agency for Healthcare Research and Quality; Jul, 2001. Making health care safer: a critical analysis of patient safety practices Evidence.
Mitchell PH. Defining Patient Safety and Quality Care. In: Hughes RG, editor. Patient Safety and Quality: An Evidence-Based Handbook for Nurses. Rockville (MD): Agency for Healthcare Research and Quality (US); 2008 Apr. Chapter 1.

 



Deixe uma resposta