As 10 maiores tendências que revolucionarão a saúde em 2024

As 10 maiores tendências que revolucionarão a saúde em 2024

Confira quais serão as tendências mais proeminentes no próximo ano

Uma população com uma vida mais longa, o surgimento de tecnologias transformadoras com aplicações em todo o espectro dos cuidados de saúde e a contínua incerteza econômica global. Estes são os principais impulsionadores sociais que terão impacto nas tendências dos cuidados de saúde em 2024.

Estamos a caminhar para águas desconhecidas. Do lado da tecnologia, a inteligência artificial (IA) promete mudar drasticamente tudo, desde a forma como desenvolvemos medicamentos e tratamos os pacientes até o lado empresarial e comercial dos cuidados de saúde. O seu surgimento é a força motriz por trás de muitas das tendências descritas abaixo.

E igualmente poderosas serão as mudanças que estão a ser feitas para mudar o foco dos cuidados reativos para os cuidados preventivos, na esperança de evitar que o envelhecimento da população se torne um fardo esmagador para os sistemas de saúde em todo o mundo. Com esses fatores em mente, aqui está uma visão geral do que serão as tendências mais proeminentes em 2024.

 

1- IA generativa em saúde

A IA será fundamental em muitas das tendências aqui, mas a IA generativa, em particular, terá um impacto particular nos próximos 12 meses. Irá democratizar o acesso a outras aplicações transformadoras de IA tornando mais fácil a implementação e interpretação de resultados e a geração de recomendações personalizadas. Ele criará dados sintéticos que podem ser usados para treinar algoritmos de IA médica sem comprometer a privacidade do paciente ou onde simplesmente não há dados relevantes do mundo real suficientes. E pode criar chatbots e assistentes virtuais para ajudar em todas as fases da jornada do paciente. As aplicações da IA generativa na área da saúde são praticamente ilimitadas e certamente voltaremos a elas ao discutirmos as outras tendências desta lista

 

2- Medicina Personalizada

Este termo refere-se à criação de planos de tratamento personalizados para pacientes individuais. Na prática, isso está sendo feito cada vez mais com tecnologia e dados. As aplicações mais avançadas estão na genômica, onde a IA é utilizada para analisar o ADN dos pacientes para diagnosticar e tratar doenças e para criar medicamentos personalizados para pessoas específicas até ao nível molecular (por vezes denominado medicina de precisão). Muitos investigadores acreditam que uma abordagem personalizada aos cuidados de saúde conduz a melhores resultados para os pacientes e a uma utilização mais eficiente dos recursos médicos e desempenhará um papel cada vez mais importante na resposta aos desafios de saúde do futuro.

 

Leia mais: As 5 inovações em saúde mais promissoras, segundo a OMS

 

 

3- Assistentes virtuais de saúde

Assistentes virtuais e chatbots podem ajudar os médicos, fornecendo conselhos sobre tratamentos, diagnósticos e medicamentos. Eles também podem ajudar os pacientes, respondendo a perguntas sobre seus cuidados e conectando-os com as informações de que precisam para tomar decisões mais informadas sobre seus próprios cuidados. Cada vez mais, eles farão interface com sistemas de registros eletrônicos de saúde e serão usados para marcar e agendar consultas. Eles também podem ajudar os pacientes a permanecerem em conformidade, lembrando-os de tomar medicamentos ou fazer exercícios. Eles podem até oferecer companhia para pacientes que moram sozinhos ou em áreas remotas para melhorar sua saúde mental!

 

4- Gêmeos Digitais

Um gêmeo digital é um modelo virtual de um sistema, objeto, lugar, ferramenta ou processo do mundo real. Ele pode ser usado para simular qualquer coisa, desde um único dispositivo, como uma agulha, para entender como ele funciona em diferentes condições, até um hospital inteiro para entender como os serviços são prestados. Gêmeos digitais do corpo humano e de órgãos individuais foram desenvolvidos para modelar os efeitos das mudanças no tratamento, na medicação e nas escolhas de estilo de vida. Talvez o gêmeo digital mais complexo que se possa imaginar atualmente seja um gêmeo do cérebro humano, que os pesquisadores esperam desenvolver até 2024.

 

5- Hospitais virtuais e telemedicina 2.0 alimentados por IoT

Essa tendência inclui tanto a telemedicina quanto os dispositivos vestíveis conectados à rede global conhecida como Internet das Coisas (IoT). Ao utilizar dispositivos conectados para monitorar pacientes remotamente e fornecer canais de comunicação para profissionais de saúde, mais elementos de atendimento podem ser prestados remotamente. Chamamos isso de “telemedicina 2.0” porque vai além da simples prestação de cuidados remotos, como consultas remotas, para uma abordagem holística. As enfermarias hospitalares virtuais são um exemplo desta tendência em ação em 2024 – onde um local central funciona como um centro para monitorizar vários pacientes nas suas próprias casas.

 

 

 

 

6- Cuidados de saúde preventivos

Isso cobre muitos tópicos, incluindo exercícios, bem-estar e imunizações, mas tudo se resume ao velho ditado de que é melhor prevenir do que remediar. Esta mudança de abordagens reativas para proativas será uma prioridade estratégica para os prestadores de cuidados de saúde em 2024. A investigação demonstrou que pode criar benefícios a longo prazo para os pacientes, bem como reduzir os custos associados ao tratamento de doenças evitáveis. Os avanços tecnológicos, incluindo a IA e a tecnologia wearable, também desempenharão um papel importante aqui, permitindo um alerta precoce e uma intervenção rápida.

 

7- Realidade Virtual e Aumentada na Saúde

O uso da realidade virtual (RV) na área da saúde está começando a decolar, com vários casos de uso inovadores entrando agora no mercado. Em particular, demonstrou ser eficaz em ajudar os pacientes a controlarem a dor crónica a longo prazo. Demonstrou-se que é mais eficaz e causa menos efeitos colaterais do que o tratamento farmacêutico tradicional da dor, levando à melhoria da qualidade de vida dos pacientes e à redução das internações hospitalares. Enquanto isso, a realidade aumentada (AR) é cada vez mais utilizada pelos cirurgiões para fornecer informações digitais enquanto trabalham, sem a necessidade de olhar para telas separadas. Outra aplicação é o gerenciamento de cuidados de feridas, onde permite a avaliação não invasiva da gravidade, do estado de cicatrização e das melhores opções de tratamento para a ferida de um paciente.

 

8- Cuidados ao Idoso

Muitas nações desenvolvidas têm populações envelhecidas, o que irá inevitavelmente colocar uma pressão crescente sobre os sistemas de saúde, à medida que as pessoas vivem mais e necessitam de mais apoio na vida adulta. Serão apresentadas soluções inovadoras que permitirão aos idosos permanecer nas suas próprias casas durante mais tempo, em vez de ocuparem espaço em hospitais, hospícios e lares de idosos. Haverá também um maior foco no desenvolvimento de novos tratamentos para doenças que ocorrem especificamente na velhice e que colocam pressão sobre os sistemas de cuidados, como a doença de Alzheimer e a doença de Parkinson. Outras tendências aqui discutidas, incluindo cuidados preventivos, hospitais virtuais e assistentes de saúde, também terão implicações importantes.

 

9- Impressão 3D – Dos Implementos aos Órgãos

A fabricação aditiva – onde os produtos são construídos usando processos como a impressão 3D – tem um grande impacto na saúde. Em partes do mundo onde é difícil encontrar equipamento médico, ele pode ser usado para imprimir ferramentas e dispositivos sob demanda, incluindo instrumentos cirúrgicos, implantes ortopédicos ou dentários e próteses. Também estão em andamento pesquisas sobre a viabilidade de órgãos impressos em 3D para transplante usando tecido biológico retirado do corpo do paciente. Se for comprovadamente eficaz, isto poderá constituir uma solução para a escassez crônica de órgãos disponíveis para transplante e reduzir drasticamente o custo destes procedimentos.

 

10- Convergência da prestação de cuidados de saúde mentais e físicos

Durante a maior parte da história da medicina, os cuidados de saúde mental e física foram relativamente isolados. A pandemia da COVID-19 mudou isso, à medida que os prestadores reconhecem cada vez mais as ligações intrínsecas entre o bem-estar físico e mental e a necessidade de uma abordagem holística. Exemplos disto em ação em 2024 incluirão os prestadores de cuidados de saúde da linha da frente, como os médicos de cuidados primários, que rastreiam cada vez mais as formas como os problemas de saúde mental podem afetar o tratamento e a recuperação de doenças físicas.

 

Fonte da imagem:

Fonte: Forbes. Bernardo Marr. 3 de outubro de 2023.



Deixe um comentário