23 milhões de crianças não foram vacinadas durante a pandemia em todo o mundo

23 milhões de crianças não foram vacinadas durante a pandemia em todo o mundo

Ao todo, 23 milhões de crianças não foram vacinadas por meio de serviços de saúde de rotina em 2020, o maior número desde 2009 e 3,7 milhões a mais do que em 2019

Genebra, 15 de julho de 2021 (OMS) – Segundo novos dados oficiais publicados nesta quinta-feira (15) pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e UNICEF, 23 milhões de crianças perderam as vacinas básicas por meio dos serviços de vacinação de rotina em 2020 – 3,7 milhões a mais do que em 2019. Estes números abrangentes de imunização infantil em todo o mundo, os primeiros a refletir interrupções no serviço global devido à COVID-19, mostram que a maioria dos países experimentou quedas nas taxas de vacinação infantil no ano passado.

De forma preocupante, a maioria dessas crianças – até 17 milhões – provavelmente não recebeu nenhuma vacina durante o ano, ampliando as já imensas inequidades no acesso às vacinas. A maioria delas vive em comunidades afetadas por conflitos, em locais remotos mal atendidos ou em ambientes informais ou marginalizados, onde enfrentam várias privações, incluindo acesso limitado a serviços básicos de saúde e sociais.

“Enquanto os países clamam para ter vacinas contra a COVID-19, retrocedemos com outras vacinações, deixando as crianças em risco de doenças devastadoras, mas evitáveis, como sarampo, poliomielite ou meningite”, declarou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. “Vários surtos de doenças seriam catastróficos para as comunidades e sistemas de saúde que já lutam contra a COVID-19, tornando mais urgente do que nunca investir na vacinação infantil e garantir que todas as crianças sejam alcançadas.”

Em todas as regiões, um número crescente de crianças perde as primeiras doses vitais de vacinas em 2020; outros milhões perdem as vacinas posteriores.

Leia também: Por que as crianças não serão vacinadas contra Covid19 neste momento?

As interrupções nos serviços de imunização foram generalizadas em 2020, com as regiões da OMS do Sudeste Asiático e do Mediterrâneo Oriental mais afetadas. Como o acesso aos serviços de saúde e o alcance da imunização foram reduzidos, o número de crianças que não recebiam nem mesmo as primeiras vacinas aumentou em todas as regiões. Em comparação com 2019, 3,5 milhões de crianças perderam sua primeira dose da vacina contra difteria, tétano e coqueluche (DTP-1), enquanto mais 3 milhões de crianças perderam sua primeira dose contra o sarampo.

“Esta evidência deve ser um aviso claro – a pandemia de COVID-19 e as interrupções relacionadas nos custaram um terreno valioso que não podemos perder – e as consequências serão pagas nas vidas e no bem-estar dos mais vulneráveis”, disse Henrietta Fore, diretora-executiva do UNICEF. “Mesmo antes da pandemia, havia sinais preocupantes de que estávamos começando a perder terreno na luta para imunizar crianças contra doenças infantis evitáveis, inclusive com os surtos de sarampo generalizados há dois anos. A pandemia piorou a situação. Com a distribuição equitativa de vacinas contra a COVID-19 na vanguarda da mente de todos, devemos lembrar que a distribuição de vacinas sempre foi injusta, mas não precisa ser.”

Tabela 1: Países com o maior aumento de crianças que não receberam a primeira dose da vacina combinada difteria-tétano-coqueluche (DTP-1)

2019 2020
Índia 1.403,000 3.038,000
Paquistão 567.000 968.000
Indonésia 472.000 797.000
Filipinas 450.000 557.000
México 348.000 454.000
Moçambique 97.000 186.000
Angola 399.000 482.000
República Unida da Tanzânia 183.000 249.000
Argentina 97.000 156.000
Venezuela 75.000 134.000
Mali 136.000 193.000

Os dados mostram que os países de média renda representam agora uma parcela cada vez maior de crianças desprotegidas – isto é, crianças que estão perdendo ao menos algumas doses da vacina. A Índia está experimentando uma queda particularmente grande, com a cobertura da DTP-3 caindo de 91% para 85%.

Alimentado por déficits de financiamento, desinformação sobre vacinas, instabilidade e outros fatores, um quadro preocupante também está surgindo na Região das Américas da OMS, onde a cobertura de vacinação continua caindo. Apenas 82% das crianças estão totalmente vacinadas com a DTP-3, contra 91% em 2016.

Países correm risco de ressurgimento do sarampo e outras doenças evitáveis por vacinas

Mesmo antes da pandemia de COVID-19, as taxas globais de vacinação infantil contra difteria, tétano, coqueluche, sarampo e poliomielite estagnaram por vários anos em cerca de 86%. Essa taxa está bem abaixo dos 95% recomendados pela OMS para proteção contra o sarampo – geralmente a primeira doença a ressurgir quando as crianças não são vacinadas – e insuficiente para impedir outras doenças evitáveis por vacinas.

Com muitos recursos e profissionais realocados para apoiar a resposta à COVID-19, ocorreram interrupções significativas na prestação de serviços de imunização em muitas partes do mundo. Em alguns países, os centros de vacinação foram fechados ou tiveram o número de horas reduzido. As pessoas podem ter relutado em procurar atendimento médico por medo da transmissão ou enfrentaram dificuldades para chegar aos serviços devido a medidas de bloqueio e interrupções no transporte.

“Esses são números alarmantes, sugerindo que a pandemia está desvendando anos de progresso na imunização de rotina e expondo milhões de crianças a doenças mortais, mas evitáveis”, afirmou Seth Berkley, CEO da Gavi, a Vaccine Alliance. “Este é um alerta – não podemos permitir que um legado da COVID-19 seja o ressurgimento do sarampo, da poliomielite e de outras causas de morte. Todos nós precisamos trabalhar juntos para ajudar os países a derrotar a COVID-19, garantindo o acesso global e equitativo às vacinas, e a colocar os programas de imunização de rotina de volta nos trilhos. A saúde e o bem-estar futuros de milhões de crianças e suas comunidades em todo o mundo dependem disso.”

As preocupações não são apenas para doenças suscetíveis a surtos. Já com taxas baixas, as vacinações contra o papilomavírus humano (HPV) – que protegem as meninas contra o câncer de colo do útero mais tarde na vida – foram altamente afetadas pelo fechamento de escolas. Como resultado, em todos os países que introduziram a vacina contra o HPV até o momento, aproximadamente 1,6 milhão de meninas a mais perderam a oportunidade de se imunizar em 2020. Globalmente, apenas 13% das meninas foram vacinadas contra o HPV, caindo de 15% em 2019.

Agências pedem recuperação urgente e investimento em imunização de rotina

Enquanto os países trabalham para recuperar o terreno perdido devido às interrupções relacionadas à COVID-19, o UNICEF, a OMS e parceiros como Gavi estão apoiando os esforços para fortalecer os sistemas de imunização por meio da:

  • Restauração de serviços e campanhas de vacinação para que os países possam realizar com segurança programas de vacinação de rotina durante a pandemia de COVID-19;
  • Ajuda aos profissionais de saúde e líderes comunitários a se comunicarem ativamente com os cuidadores para explicar a importância das vacinas;
  • Retificação das lacunas na cobertura de vacinação, incluindo a identificação de comunidades e pessoas que não foram detectadas durante a pandemia;
  • Garantia de que a administração da vacina contra a COVID-19 seja planejada e financiada de forma independente e que ocorra paralelamente e não à custa dos serviços de vacinação infantil;
  • Implementação de planos de país para prevenir e responder a surtos de doenças preveníveis por vacinas e fortalecer os sistemas de imunização como parte dos esforços de recuperação da COVID-19.

As agências estão trabalhando com países e parceiros para cumprir as metas ambiciosas da Agenda de Imunização global 2030, que visa atingir 90% de cobertura para vacinas infantis essenciais; reduzir pela metade o número de crianças não vacinadas ou com zero doses e aumentar o uso de vacinas que salvam vidas, como rotavírus ou pneumococo, em países de baixa e média renda.

Sobre os dados

Com base em dados notificados por país, as estimativas oficiais da OMS e UNICEF de cobertura nacional de imunização fornecem o maior conjunto de dados do mundo sobre as tendências de imunização para vacinação contra 13 doenças, administradas por sistemas de saúde regulares – normalmente em clínicas ou centros comunitários ou visitas de profissionais de saúde. Para 2020, foram fornecidos dados de 160 países.

Globalmente, a taxa de vacinação para três doses da vacina contra difteria-tétano e coqueluche (DTP-3) caiu de cerca de 86% em 2019 para 83% em 2020, o que significa 22,7 milhões de crianças deixadas para trás, e para a primeira dose de sarampo, de 86% para 84 %, o que significa 22,3 milhões de crianças deixadas para trás. As taxas de vacinação para a segunda dose do sarampo foram de 71% (70% em 2019). Para controlar o sarampo, é necessária a cobertura de 95% com as duas doses da vacina; os países que não conseguem atingir esse nível contam com campanhas periódicas de vacinação em todo o país para preencher a lacuna.

Além das interrupções de vacinação de rotina, existem atualmente 57 campanhas adiadas de vacinação em massa em 66 países para sarampo, poliomielite, febre amarela e outras doenças, afetando milhões de pessoas.

Nova modelagem também mostra quedas significativas na DTP e cobertura de vacinação contra sarampo
A nova modelagem, também publicada na The Lancet por pesquisadores do Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde (IHME), com sede em Washington, mostra de forma semelhante que a vacinação infantil diminuiu globalmente em 2020 devido a interrupções provocadas pela COVID-19. A modelagem liderada pelo IHME é baseada em dados administrativos notificados pelo país para vacinas DTP e contra o sarampo, complementados por relatórios em registros médicos eletrônicos e dados de movimento humano capturados por meio de rastreamento anônimo de telefones celulares.

Ambas as análises mostram que os países e a comunidade de saúde em geral devem garantir que as novas ondas de COVID-19 e a implementação massiva das vacinas contra a COVID-19 não inviabilizem a imunização de rotina e que as atividades de recuperação continuem sendo aprimoradas.

Fonte da imagem: Freepik

Referências: paho.org/pt

 



Deixe uma resposta