20 parâmetros para gerenciamento da qualidade na UTI

Os coordenadores, administradores e diretores institucionais têm responsabilidade legal e moral de garantir a alta qualidade dos serviços de saúde. Em locais como a UTI, que recebe pacientes de alto risco, esse cuidado precisa ser ainda maior. Algumas questões dificultam o controle e gerenciamento sobre a qualidade do cuidado à saúde:

  • Insuficiência de recursos;
  • Lacunas na experiência e habilidades dos membros da diretoria;
  • Dificuldade em supervisionar a qualidade da instituição como um todo

Um estudo publicado este mês pelo International Journal for Quality in Health Care definiu parâmetros para governar a qualidade na UTI, que englobam:

  • Indicadores estruturais;
  • Indicadores processuais;
  • Indicadores de resultados;
  • Experiências notificadas pelos pacientes.

 

Leia também: Dentista na UTI reduz em 56% as chances de infecções respiratórias

 

São eles:

  1. Proporção entre pacientes e enfermeiros;
  2. Dias com ocupação completa de leitos;
  3. Recomendações e pontos de melhorias baseados nos resultados das auditorias internas;
  4. Readmissão na UTI;
  5. Duração da ventilação mecânica;
  6. Razão de mortalidade padronizada;
  7. Número de pacientes com sepse severa;
  8. Adequação ao guia de diagnóstico de delirium;
  9. Eventos adversos e mortes preveníveis;
  10. Reclamações;
  11. Incidentes críticos;
  12. Avaliação do clima da equipe;
  13. Avaliação anual da performance com médicos;
  14. Adequação ao guia de gerenciamento de recursos da equipe;
  15. Experiências com ex-pacientes da UTI e suas recomendações;
  16. Experiências com familiares do paciente (baseadas no questionário);
  17. Experiências dos familiares e suas recomendações (baseadas em observação);
  18. Qualidade de vida;
  19. Fatiga;
  20. Ansiedade e depressão.

 

 

 

 

Trabalhando para o aperfeiçoamento destes pontos, o paciente recebe um cuidado mais seguro, os colaboradores se sentem mais preparados para realizar sua função e a diretoria consegue monitorar o serviço prestado.

 

Quer saber mais sobre gestão da segurança do paciente? Participe do Curso “Gerenciamento de Riscos e Implantação do Núcleo de Segurança do Paciente”, que ocorrerá nos dias 03 e 04 de setembro em São Paulo/SP. INSCREVA-SE PELO NOSSO SITE!

 


Neste episódio, Aléxia Costa aborda algumas questões sobre a importância, necessidade e viabilidade do uso de ferramentas para a melhoria continua da qualidade nos serviços de saúde:

 

Referência:

Anke J M Oerlemans; Evert de Jonge; Johannes G van der Hoeven; etc. A systematic approach to develop a core set of parameters for boards of directors to govern quality of care in the ICU. International Journal for Quality in Health Care, Volume 30. Agosto de 2018.



1 comentário

Deixe um comentário