Indicadores de desempenho, epidemia ou miopia na gestão? – Por Christian Hart

Todo processo produtivo precisa de indicadores que monitorem seu desempenho, muito embora na saúde ainda tenhamos alguma repulsa em nos referenciar na administração de produção. Acabamos aos poucos assumindo “suas” ferramentas também como “nossas”.

Nigel Slack e seus co-autores, no clássico Administração da Produção, nos apresenta a Função Produção, que orienta os processos produtivos para trabalhar com 5 tipos de objetivos de desempenho:

  • QUALIDADE: Tem a ver com o produto deste processo e sua aceitação pelo cliente interno ou externo;
  • CONFIABILIDADE: Mostra o quanto o processo é capaz de realizar o que se propõe;
  • AGILIDADE: Fala a respeito do tempo de execução e entrega do processo;
  • CUSTO: Visa a maximização da eficiência da operação;
  • FLEXIBILIDADE: Trata da capacidade do processo em atender necessidades específicas de clientes pontuais.

 

Notícias relacionadas
Quem são os envolvidos na segurança do paciente?
Quais os benefícios da Acreditação?
Por que a avaliação educativa em instituições de saúde é mais eficiente?

 

Dentro dos conceitos apresentados acima e validados por anos da metodologia no contexto da administração da produção, fica claro que não há como questionar a possibilidade e viabilidade de os aplicarmos para os nossos processos de serviços na área de saúde.

Na prática, inclusive, muitas vezes já utilizamos indicadores capazes de monitorar esses objetivos de desempenho, ainda que nosso planejamento não tenha sido pautado nesta teoria, vejamos alguns exemplos:

  • Adesão ao tempo porta-balão – AGILIDADE
  • Taxa de satisfação do cliente – QUALIDADE
  • Adesão ao bundle de prevenção de infecções – CONFIABILIDADE
  • Custo do procedimento de apendicectomia – CUSTO
  • Taxa de prescrições revistas por interações medicamentosas – FLEXIBILIDADE

O benefício principal de uma metodologia como esta, é principalmente o balanceamento dos objetivos de desempenho.

Nosso desafio a partir de agora, não é mais aceitar os conceitos da administração de produção, e sim trabalhar esses conceitos com o rigor metodológico devido, como já está acontecendo em Instituições de saúde que por exemplo, estão buscando metodologias como Lean/Six Sigma.

Para entender melhor como planejar e aplicar os indicadores de desempenho na área da saúde te convido para participar no dia 29 de junho do curso de Gerenciamento de Indicadores para a Excelência do Desempenho em Goiânia/GO. Faça sua inscrição já pois as vagas são limitadas http://migre.me/wIMIG

 

ChristianCHRISTIAN HART FERREIRA

Administrador de empresas, MBA em Gestão Hospitalar e de Sistemas de Saúde, Avaliador líder em processos de certificação nacional e internacional. Atuou como Supervisor de Suprimentos, Assessor da Qualidade e Diretor Administrativo de Hospital de grande porte. Atualmente é Diretor de Projetos e Novos Negócios do IBES – Instituto Brasileiro para Excelência em Saúde.

 

 

REFERÊNCIAS:

SLACK, N. CHAMBERS, S. JOHNSTON, R. Administração da Produção. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2008