Diretor da OMS vai à China para avaliar o surto de coronavírus

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, encontrou-se nesta terça-feira (28), em Pequim, com o presidente da República Popular da China, Xi Jinping. Ambas as autoridades compartilharam as informações mais recentes sobre o surto do novo coronavírus (2019-nCoV) e reiteraram seu compromisso de colocá-lo sob controle.

Tedros juntou-se ao diretor regional da OMS, Dr. Takeshi Kasai, e ao diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da OMS, Mike Ryan, tendo também se reunido com o conselheiro de Estado e ministro de Relações Exteriores, Wang Yi, e o ministro da Saúde, Ma Xiaowei.

A Comissão Nacional de Saúde apresentou fortes capacidades e recursos de saúde pública da China para responder e manejar surtos de doenças respiratórias. As discussões se concentraram na colaboração contínua sobre medidas de contenção em Wuhan, medidas de saúde pública em outras cidades e províncias, estudos adicionais sobre a gravidade e transmissibilidade do vírus e compartilhamento de dados e material biológico com a OMS. Essas medidas promoverão a compreensão científica do vírus e contribuirão para o desenvolvimento de contramedidas médicas, como vacinas e tratamentos.

Ambos os lados concordaram com o envio de especialistas internacionais à China, pela OMS, para visitar o país o mais rápido possível para trabalhar com colegas chineses na crescente compreensão do surto para orientar os esforços de resposta global.

“Interromper a propagação deste vírus na China e no mundo é a maior prioridade da OMS”, afirmou Tedros. “Agradecemos a seriedade com a qual a China está enfrentando esse surto, especialmente o compromisso da alta liderança e a transparência que demonstraram, incluindo o compartilhamento de dados e a sequência genética do vírus. A OMS está trabalhando em estreita colaboração com o governo em medidas para entender o vírus e limitar a transmissão. A OMS continuará trabalhando lado a lado com a China e todos os outros países para proteger a saúde e manter as pessoas seguras”.

A missão da OMS ocorre quando o número de pessoas confirmadas com o vírus aumentou para mais de 4.500 no mundo em 28 de janeiro, com o maior número de casos concentrado na China.

A delegação apreciou as ações implementadas pela China em resposta ao surto, sua velocidade na identificação do vírus e abertura ao compartilhamento de informações com a OMS e outros países.

Ainda há muito a ser entendido sobre o 2019-nCoV. A fonte do surto e a extensão em que ele se espalhou na China ainda não são conhecidas. Embora o entendimento atual da doença permaneça limitado, a maioria dos casos relatados até o momento foi mais branda, com cerca de 20% dos infectados apresentando doenças graves. Tanto a OMS quanto a China observaram que o número de casos relatados, incluindo aqueles fora do país, é profundamente preocupante. É urgentemente necessário um melhor entendimento da transmissibilidade e gravidade do vírus para orientar outros países em medidas de resposta apropriadas.

A OMS está monitorando continuamente os desenvolvimentos e o diretor-geral pode reconvocar o Comitê de Emergência do Regulamento Sanitário Internacional (2005) em pouco tempo, conforme necessário. Os membros do comitê estão em standby e são informados regularmente sobre a situação.

Acompanhe as informações oficiais sobre o novo coronavírus no site da OMS: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019.

Fonte: OPAS Brasil

Foto imagem de destaque:  Naohiko Hatta/Pool



Deixe uma resposta