Como o farmacêutico pode contribuir para o uso seguro de medicamentos em idosos?

Erros de medicação ou eventos adversos são uma das causas mais comuns de hospitalizações. Pessoas mais velhas, particularmente aquelas com condições crônicas, tendem a tomar mais medicamentos e estão em maior risco de problemas relacionados à medicação.

Na semana passada foi publicado um estudo irlandês que analisou se a admissão hospitalar está associada à prescrição medicamentosa potencialmente inapropriada entre pacientes mais velhos da atenção primária (com idade ≥65 anos). Além disso, buscou identificar se tal prescrição era mais provável após a admissão hospitalar do que antes.

O estudo examinou os registros de 38.229 pacientes em 44 práticas gerais, entre 2012 a 2015. Os autores relatam que a prevalência geral de prescrição potencialmente inadequadas variou de 45,3% dos pacientes em 2012 para 51,0% em 2015.

Independentemente de idade, sexo, número de itens prescritos, comorbidade e cobertura de saúde, a internação hospitalar foi associada a uma maior taxa de distintos critérios de prescrição potencialmente inadequados atendidos.

Entre os participantes que foram admitidos no hospital, a probabilidade de prescrição potencialmente inapropriada após a admissão foi maior do que antes da admissão.

No estudo de Pellegrin et al os autores citam um modelo de coordenação de cuidados e transição de cuidados liderado por farmacêuticos focado nas melhores práticas no gerenciamento de medicamentos – em hospitais no Havaí. Este estudo concentrou-se em invesigar se o dano à medicação entre pacientes idosos internados é “adquirido na comunidade” ou “hospital adquirido”. Entre 2010 a 2014, esses hospitais tiveram um total de 189.078 admissões, cerca de 7% das admissões tinham danos relacionados ao uso de medicação. Das 13 795 admissões com códigos de danos de medicação, 70% foram adquiridos na comunidade. Os autores relatam que o quando a intervenção [denoominada Pharm2Pharm] foi implementada em hospitais. foi associada a uma redução significativa na taxa de internações com danos à medicação adquiridos na comunidade em comparação com hospitais sem intervenção. Os principais danos evitados estavam relacionados ao uso de anticoagulantes.

A taxa de danos causados ​​por medicamentos no hospital não mudou. A taxa de internações com danos à medicação adquirida na comunidade foi reduzida em 4,28 internações por 1000 internações por trimestre nos hospitais Pharm2Pharm em comparação com os hospitais de comparação.

O modelo sistemático de atenção farmacêutica mostrou ser uma maneira eficaz de abordar o problema crescente de danos causados ​​por medicamentos adquiridos na comunidade entre pacientes cronicamente doentes, de alto risco. Esse modelo demonstra a importância de farmacêuticos especialmente treinados no hospital e na comunidade para identificar e resolver sistematicamente os problemas da terapia medicamentosa.

Referência Bibliográfica:
Pellegrin K, Lozano A, Miyamura J, Lynn J, Krenk L, Jolson-Oakes S, et al. Community-acquired and hospital-acquired medication harm among older inpatients and impact of a state-wide medication management intervention. BMJ Quality & Safety. 2018.

 

Cursos abertos do IBES para o ano de 2019Confira os cursos abertos do IBES para 2019 e organize a sua agenda. As inscrições já estão abertas!



Deixe uma resposta