Quais são os possíveis tratamentos contra o Coronavírus, causador da Covid-19?

Fonte: freepik

 

Com os casos confirmados de COVID-19 continuando a crescer, os cientistas estão avançando nos esforços para desenvolver vacinas e tratamentos para retardar a pandemia e diminuir os danos da doença.

Alguns dos primeiros tratamentos provavelmente serão medicamentos já aprovados para outras condições ou que foram testados em outros vírus.

Recentemente, o FDA emitiu uma declaração de uso de emergência para os medicamentos anti-malária hidroxicloroquina e cloroquina. Autoridades da União Europeia disseram que não há evidências de que a hidroxicloroquina seja eficaz no tratamento do COVID-19. O uso desses medicamentos também foi questionado em um artigo na revista Annals of Internal Medicine, em que os autores levantaram questões sobre se houve uma “corrida ao julgamento” para levá-los ao processo de aprovação. No final de abril, o FDA emitiu um aviso de que havia “problemas sérios e potencialmente fatais de ritmo cardíaco” relacionados aos medicamentos. Além disso, o Journal of American Medical Association (JAMA) relatou que um estudo clínico sobre cloroquina foi encerrado porque alguns participantes desenvolveram batimentos cardíacos irregulares e quase duas dúzias morreram após tomar doses diárias do medicamento.

Inscreva-se: 1º Fórum Nacional On-line de Enfrentamento ao Coronavírus

Funcionários do FDA declararam que ainda pode levar um ano para que qualquer medicamento esteja disponível ao público em geral para o tratamento com COVID-19, porque a agência precisa garantir que os medicamentos sejam seguros para esse uso específico e qual deve ser a dose adequada.

Aqui está um resumo dos mais recentes desenvolvimentos de vacinas e medicamentos COVID-19.

Antivirais

Várias empresas estão desenvolvendo ou testando antivirais contra o SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19. Os antivirais têm como alvo o vírus em pessoas que já têm uma infecção. Eles trabalham de maneiras diferentes, às vezes impedindo a replicação do vírus, outras vezes impedindo-o de infectar células.

Remdesivir

Desenvolvido há uma década, este medicamento falhou em ensaios clínicos contra o Ebola em 2014. Pesquisas com MERS mostraram que o medicamento impediu a replicação do vírus. Em abril, estava sendo testado em cinco ensaios clínicos COVID-19. Os primeiros resultados não foram animadores. No final de abril, a Gilead Sciences anunciou que um teste de remdesivir, supervisionado pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, havia “atingido seu objetivo primário”. Ao mesmo tempo, outro estudo publicado no The Lancet, relatou que os participantes de um ensaio clínico que tomaram remdesivir não mostraram benefícios em comparação com as pessoas que tomaram um placebo. Apesar dos resultados conflitantes, o FDA emitiu uma ordem em 1º de maio para o uso emergencial do remdesivir.

Kaletra

Esta é uma combinação de dois medicamentos que trabalham contra o HIV. Planejam-se ensaios clínicos para verificar se funciona contra o SARS-CoV-2.

Favipiravir

Este medicamento é aprovado em alguns países fora dos Estados Unidos para tratar a gripe. Alguns relatórios da China sugerem que pode funcionar como um tratamento para o COVID-19. Esses resultados, no entanto, ainda não foram publicados.

Arbidol

Este antiviral foi testado juntamente com o medicamento lopinavir / ritonavir como tratamento para o COVID-19. Os pesquisadores relataram em meados de abril que os dois medicamentos não melhoraram os resultados clínicos de pessoas hospitalizadas com casos leves a moderados de COVID-19.

Anticorpos monoclonais

Esses medicamentos acionam o sistema imunológico para atacar o vírus. A Vir Biotechnology isolou anticorpos de pacientes que sobreviveram à SARS. A empresa está trabalhando com a empresa chinesa WuXi Biologics para testá-los como um tratamento para o COVID-19. O AbCellera isolou 500 anticorpos únicos de uma pessoa que se recuperou do COVID-19 e deve começar a testá-los.

Plasma sanguíneo

Na mesma linha, o FDA anunciou um processo para ensaios em um tratamento experimental que utiliza plasma sanguíneo de pessoas que se recuperaram do COVID-19. A teoria é que o plasma contém anticorpos que atacarão esse coronavírus em particular. No final de março, o New York Blood Center começou a coletar plasma de pessoas que se recuperaram do COVID-19.

Células-tronco

A Athersys Inc. divulgou dados preliminares no ano passado, mostrando que seu tratamento com células-tronco poderia potencialmente beneficiar pessoas com síndrome da angústia respiratória aguda (SDRA). Essa condição ocorre em algumas pessoas com COVID-19 grave. A Mesoblast testou seu produto de células-tronco em um pequeno grupo de pessoas com COVID-19 com resultados positivos.

Supressores imunológicos

Em algumas pessoas com COVID-19, o sistema imunológico entra em overdrive, liberando grandes quantidades de pequenas proteínas chamadas citocinas. Os cientistas acham que essa “tempestade de citocinas” pode ser a razão pela qual certas pessoas desenvolvem SDRA e precisam ser colocadas em um ventilador. Vários imunossupressores estão sendo testados em ensaios clínicos para verificar se os medicamentos podem conter a tempestade de citocinas e reduzir a gravidade da SDRA. Estes incluem o baricitinibe, um medicamento para a artrite reumatóide; CM4620-IE, um medicamento para câncer de pâncreas; e inibidores da IL-6. O FDA também aprovou um dispositivo que filtra citocinas do sangue dos pacientes.

Próximos passos

Embora grande parte do foco esteja no desenvolvimento de novos tratamentos para o COVID-19, as melhorias na maneira como os médicos cuidam dos pacientes usando a tecnologia existente também são cruciais.

Nenhuma empresa ofereceu um cronograma para quando seu medicamento poderia ser usado mais amplamente para tratar COVID-19. Não é algo fácil de estimar. Após os testes em laboratório e em animais, os medicamentos precisam passar por várias etapas dos ensaios clínicos.

Já conhece os Cursos In-Company IBES com transmissão ao vivo?

Fonte: ANVISA



Deixe uma resposta